All in China

O recente atrito entre Brasil e China, gerado principalmente pela nítida e constante oposição do presidente eleito Jair Bolsonaro à atuação internacional daquele país— que vem claramente demonstrando suas políticas de fortalecimento interno e expansão internacional—,fez com que, pelo menos no Brasil, os holofotes se voltassem novamente para Beijing, centro político da China.

Um grande grupo no Facebook, dedicado ao debate sobre a cultura chinesa, à vida na China e às possibilidades de cooperação profissional entre brasileiros e chineses, excluiu uma postagem minha sobre caligrafia chinesa - apenas a caligrafia e um breve texto explicativo.

Os leitores que seguem meu blog já sabem que tenho opiniões bastante claras quanto ao estudo, o entendimento e a transmissão dos conhecimentos relativos à China e sua cultura - resumindo, para se falar da China com a mínima autoridade é necessário proficiência em chinês moderno, e para se falar do pensamento clássico chinês, também com a minima autoridade aceitável, é necessário proficiência em chinês clássico.

Escravo de suas próprias emoções este indivíduo passa a encontrar sentido na vida somente através da disputa e da discussão; nada mais lhe dá prazer ou contentamento que não provar seus argumentos e negar o argumento dos outros. Provar e negar tornam-se tanto objetivo como modo de vida.