Baseado em Toronto, Canadá, Tadzio goldgewicht é um sinólogo especialista em pensamento chinês clássico, chinês arcaico e na arte marcial do Xingyiquan. Atua como professor e consultor.

Ritmo - Uma Experiência Pessoal Que Você Pode Fazer

Na China a idéia do tempo, de um certo compasso que permeia a existência das coisas, existe há vários milênios, podendo já ser identificada nas idéias de grandes pensadores do período clássico. Três exemplos me vêm à cabeça sem qualquer esforço: Kong Zi⁠1 acreditava que o homem de cultura e de retidão moral adquiria naturalmente uma aparência diferenciada, um ritmo mais comedido sendo resultado direto das práticas do estudo constante e da auto observância contínua. Zhuang Zi⁠2 por sua vez acreditava no ritmo invisível, o ritmo sem ritmo, pois que guiava-se somente pelo próprio compasso da natureza. Sun Zi⁠3 proclamava a importância do ritmo em aplicação dinâmica para as campanhas militares. Outros exemplos abundam.

Como pode-se notar o conceito de ritmo variava grandemente. Todavia, dois pontos importantes devem ser notados: primeiro, que a idéia de ritmo era tão fundamental a ponto de existir concomitantemente nos textos de pensadores que proclamavam idéias absolutamente diferentes; segundo, que apesar de todas as diferenças referentes ao entendimento e a aplicação do conceito de ritmo, o seu efeito inicial sobre aquele que o implementava era sempre o mesmo - serenidade ao pensar, tranquilidade ao falar e temperança ao agir. 

Da próxima vez em que você encontrar um Chinês educado e culto você não somente perceberá com clareza que seu ritmo é diferente do nosso, mas também entenderá, ainda que bastante superficialmente,  a razão de ser deste fenômeno. 

Chego ao final desta postagem e a seu ponto mais importante: quero dizer que você não precisa ser um sábio chinês para incorporar o conceito de ritmo em sua vida e experienciar alguns de seus efeitos - basta diminuir a sua própria velocidade, atentar para o momento, ouvir mais e falar menos. Não é preciso de mestre, guru, guia nem sacerdote, basta querer. Não há mestre melhor do que a natureza, mas de qualquer forma, quem estiver disposto e precisar de ajuda basta comentar.

 

 

1 Confúcio

2 Pensador e grande expoente do chamado “Daoismo”. Em torno de 300 AC.

3 General e estrategista, autor do famoso texto “A Arte da Guerra”.

Introspecção

Como Falha a Oposição